Abraços que Contam Histórias – Episódio 3: Vini na Estrada

13 de Junho de 2017

Quando um amor é intenso, invencível e ultrapassa qualquer barreira, ele se torna mais do que um sentimento. Ele vira uma ação. Mais especificamente, ele vira um abraço.

Por isso, na semana do amor nós queremos contar histórias de grandes abraços: aqueles que, com muito amor, unem o diferente e trazem para perto aqueles que nunca deveriam ficar longe.

Bem vindos à semana do amor. Bem vindos aos Abraços que Contam Histórias.

Vini na Estrada

O terceiro episódio de Abraços que Contam Histórias mostra como a relação entre pai e filho é forte e como o amor é capaz de vencer qualquer preconceito.

Conheça o Elias e o Vini! Os dois são pai e filho:

IMG_0087_779x409.jpg

Eles sempre tiveram uma relação muito próxima e sincera, mas o fato de Elias ser presidente de um motoclube fez com que Vini sentisse receio quando decidiu contar aos seus pais que era gay aos 18 anos.

"O início da descoberta é muito doloroso. Passei por um processo muito difícil, mas que não foi muito longo. Meu primeiro momento foi de total negação. Cheguei a questionar se não estava pecando. Depois entendi que eu era assim, não tinha como negar. Quando assumi pra mim mesmo quem eu era, ficou tudo mais fácil", disse o Vini.

Quatro meses depois, o Vinicius reuniu seu pai e sua mãe na sala de casa para contar o que estava acontecendo. Quando as palavras foram saindo, o medo e receio deu espaço a uma reação inesperada vinda de seu pai:

"Como diz nossa música, você é meu amigo de fé, meu irmão camarada"

Ele conta com o maior orgulho que foi o primeiro a abraçar o Vini quando rolou a conversa! Esse abraço veio seguido de uma frase dele que mudou o caminho dessa história: "me ensina a conhecer o seu mundo".

E os mundos do Elias e do Vini são ainda mais diferentes do que o que já se espera da realidade de um pai e filho. Assim como para o Elias foi um processo entender a realidade do seu filho, vencer seus preconceitos e ajudar os seus amigos do clube de motociclismo a enxergar da mesma forma, para o Vini também houve essa adaptação ao mundo do pai.

Desde adolescente o Elias anda de moto e, há alguns anos, virou presidente de um motoclube. Ele explica que há muito preconceito em relação a quem são os motociclistas e quais são as suas filosofias, pois quem olha de fora só vê pessoas tatuadas, com piercings, pedaços de madeira, machado, etc. Tudo isso é um estilo e, na verdade, eles são uma grande família que tem como intenção rodar as estradas e, como ideologia, a filantropia: "Nós cuidamos de duas entidades direcionadas a pessoas com deficiências físicas e intelectuais".

O Vini vira e mexe frequenta o clube com o pai e se sente abraçado por todos! Já o Elias, trata o genro como se fosse um filho. No dedo, um carrega o símbolo de uma caveira, e o outro dois traços paralelos tatuados - sinais diferentes que representam quem eles são, mas que como essência, têm o mesmo significado: a igualdade. \o/

Assista ao curta do Elias e do Vini aqui: